segunda-feira, 13 de junho de 2011

Desperdício de recursos públicos: "elefantes brancos" são notícia no Fantástico

Na noite do dia 12 de Junho foi ao ar no Fantástico, programa semanal transmitido pela rede Globo, uma reportagem sobre os "elefantes brancos" espalhados pelo Brasil. A origem da expressão vem de um costume comum no antigo Reino de Sião, atualmente Tailândia. Naquelas terras o elefante branco era um animal muito difícil de ser encontrado e considerado sagrado. Quando um súdito caia em desgraça perante o rei de Sião, era presenteado pelo soberano com um elefante branco. O animal não poderia ser abandonado, doado ou morto, já que era sagrado. Deveria ser mantido sempre ornamentado e bem alimentado, condições que faziam os custos de manutenção serem altíssimos. A expressão "elefante branco" representa alguma coisa que possui alto valor, mas que tem pouca utilidade prática.

A reportagem do Fantástico cita inúmeros casos de mau uso de recursos públicos e descaso com cidadãos brasileiros de várias cidades do país. Capelinha e grande parte do Alto Jequitinhonha, infelizmente, também ostentam seus "elefantes brancos". Esta postagem é para que sejam enumeradas as obras da região que podem ser enquadradas nesta categoria. Para começar citamos o Ginásio Poliesportivo de Capelinha, apelidado "carinhosamente" por este blog e pelo clamor das ruas como "Coliseu Capelinhense":

E você, lembra-se de mais alguma obra anunciada com alarde pelos poderes públicos (municipal, estadual ou federal) para a região e que ficou parada no meio do caminho? Deixe seu depoimento nos comentários e se achar conveniente faça uma denúncia para a Controladoria-Geral da União (pode ser feita via internet!).


Obras inacabadas revelam desperdício de dinheiro público


Somente em Porto Velho, Rondônia, há seis "elefantes brancos". Fantástico visitou locais e encontrou casos absurdos.

Obras inacabadas já viraram parte da paisagem urbana em diversas partes do país. Segundo informações do Fantástico deste domingo (12), no ano passado, o Tribunal de Contas da União mandou parar 31 obras federais para investigar o uso ilegal de dinheiro público. Só nessas obras sob suspeita, R$ 23 bilhões estão em jogo.

“Aqui não pode filmar, senhor. Poxa vida. Eu estou falando que não pode filmar e o senhor continua filmando?”, desafia o guarda, sobre o viaduto do Tatuapé, em São Paulo, parte de uma obra que começou em 2007 para ser entregue em 2008. O orçamento inicial era de R$ 66 milhões, mas o gasto vai passar dos R$ 113 milhões.

Clique aqui para ver/ler a reportagem completa.

5 comentários:

  1. O que naõ falta é obra começada e que nunca tem fim nessa cidade. Na região então nem se fala!!

    ResponderExcluir
  2. Mas, a promotoria ou procuradoria ainda não sabe deste nosso coliseu ? e se sabe, nao quer fazer nada ? temos de fazer uma enquete : o que é pior : executivo ,legislativo ou judiciário...
    O promotor espera ser acionado .Eta omissão!

    ResponderExcluir
  3. Ponte da BR 367, trevo de Minas Novas para Chapda do Norte. Um enorme elefante.

    ResponderExcluir
  4. Realmente tem inúmeras obras inacabadas,quem dera se servissem para alguma coisa!

    ResponderExcluir
  5. Álbano Silveira Machado22 de junho de 2011 18:56

    Caros amigos do sadio MMC,
    a BR 367 é o principal elefante branco da região.
    Um pedaço dela, a ponte sobre o rio Fanado, em Minas Novas, é um filhote dela, um elefantizinho.
    O HosPital Regional, na Fazenda Alagadiço que "os italianos" iniciaram e nunca terminaram é um elefante branco da iniciativa privada, com suspeitas da cosa nostra.

    ResponderExcluir

POLÍTICA DE COMENTÁRIOS DO MMC
1 – O MMC não publicará comentários ofensivos, que contenham termos de baixo calão ou que atinjam reputações pessoais. A livre manifestação do pensamento será garantida, mas não poderá atentar contra princípios éticos.
2 – Comentários anônimos serão aceitos, desde que observadas as ponderações acima expostas.
3 – Comentários que contenham ameaças aos colaboradores do MMC e a qualquer outro cidadão poderão ser denunciados ao Ministério Público.
4 – Caso algum comentário desrespeite as regras acima expostas o moderador poderá, se solicitado por e-mail, explicar os motivos pelos quais não foi publicado.
5 – Comentários com denúncias sem provas ou que reproduzam boatos não serão publicados, salvo se houver identificação do autor.
6 – Não serão publicados comentários que façam propaganda positiva ou negativa de representantes públicos, partidários e afins com objetivos eleitoreiros.
Em caso de qualquer dúvida, sugestão ou reclamação o e-mail do MMC é: movimentomudacapelinha@gmail.com